Makeup by Nina Garuffi 

Padrão

   
   
     Realçando a beleza natural dessas clientes lindas eu me realizo profissionalmente, sinto me tão grata a Deus por esse dom, o de trazer os melhores sentimentos de pessoas que já são tão lindas à tona. 

     Os produtos, maioria importados, também tem grande responsabilidade para que o resultado final alcance seu ápice, pois como digo é 95% técnica e 5% dom, mas um não funciona sem o outro.

     Minha técnica de maquiagem foi adquirida ao longo de mais de 10 anos de profissão com o dia a dia e com os melhores professores, D&L Praisler maquiador da Vogue no Brasil foi responsável pela minha profissionalização definitiva na área. E não posso deixar de mencionar o querido Tony maquiador da Globo, cliente querido a mais de 7 anos que me deu vários cursos. 

     Bom espero estar sempre reciclando meus conhecimentos para melhor atender uma clientela tão seleta. Obrigada pela confiança meninas.

                  

Como nasceu meu espaço de beleza…

Padrão

Tudo me levava a reabrir meu espaço que foi fechado em 2003 por motivos pessoais depois de 3 anos dedicados a ele, Salão Mais Bella no centro de Guarapari, mas enfim, Deus não fecha uma porta, ele abre outras oportunidades de crescimento. 

Depois de 6 anos longe da área da beleza e fazendo outras coisas eu fui direcionada novamente por Deus a ter mais uma etapa na área com as famosas unhas acrílicas, começando a aprender com uma amiga de Londres que veio passear na minha casa. Trabalhei em vários segmentos ensinando e aprendendo com muitas profissionais que tenho guardadas no meu coração.

Quando recebi um convite para atender num salão que ficava no centro de guarapari e aceitei a proposta, meu trabalho ficou mais conhecido e pude voltar a me dedicar ao que sempre amei, maquiagem, lá eu também atendia as clientes do salão, deixando as ainda mais lindas.

Fiquei um tempo nesse salão e fui convidada a ir para um outro estabelecimento na cidade ainda maior e com mais destaque, nesse sim, fiquei em evidência tanto nas unhas acrílicas quanto na maquiagem. Foi então que Deus resolveu dar uma sacudida na minha vida para me mostrar o quanto eu tinha potencial, eu mudei depois de 1 ano e meio novamente de estabelecimento, depois de 5 meses não dando certo e tomando uma rasteira percebi que era hora de ter o meu salão e assim nasceu o 

NINA GARUFFI BEAUTY CENTER!!! 

Abençoado por Deus com a proteção da Nossa Senhora vou seguindo adiante com as clientes mais lindas que tenho todos os dias o prazer de atender, pois sei que cada uma delas foi Deus que colocou no meu caminho e tem um propósito para isso. 

Agradeço todos os dias pelas pessoas que Deus me envia, seja pra trabalhar comigo, para que eu e minha equipe atenda, ou simplesmente para cumprimentar!!! Obrigada Senhor por tudo!

Curso de Unhas de Gel

Padrão

Nina Garuffi Beauty Center


Em Guarapari e em Vitoria – ES

Para quem gosta de moda e beleza, saiba que as unhas de gel estão na moda e oferecem grande oportunidade para quem aprende a fazer as unhas.  Para quem deseja fazer um curso de estilismo em unhas de gel, aproveite a oportunidade que está sendo oferecida pela MAIS BELLA NAILS.

As unhas de gel é uma moda internacional que já ganhou grande procura aqui no Brasil, porém ainda é muito difícil encontrar um bom curso, por isso se você deseja saber como Fazer Unhas de Gel, aproveite a formação que tem duração de quatro dias onde são ensinadas todas as técnicas relativas as unhas de gel e aplicação.

Para a profissional que aprender a fazer unhas de gel, ela irá desenvolver todo o conhecimento e técnicas referentes ao tratamento de mãos, gel de cor, unhas de gel, Acrygel, Nail Art, formas e fibras…

Ver o post original 71 mais palavras

Unhas Acrílicas – Porcelana

Padrão

O.P.I nail polish Vodka & Caviar

O.P.I nail polish Vodka & Caviar

Porcelana, a técnica que já é usada a décadas nos EUA agora conquistando as sul-americanas.
Uma técnica superior em todos os aspectos, tanto na finalização ultra natural quanto o material de superioridade indiscutível já que se trata de um acrílico, propriamente dito. Mais aderente, mais duro, mais resistente, dando mais tempo de intervalo de uma manutenção para outra, no caso de 25 a 40 dias dependendo do crescimento das unhas!
Agende seu horário: 27-99.999.7711 Nina Garuffi

Passo a Passo Unhas de Gel

Padrão

Mesmo sendo artificiais, as unhas de gel são vistas como extensões daquelas que já tem e, obedecendo a uma técnica de aplicação e de manutenção, garante umas unhas muito mais bonitas

Este slideshow necessita de JavaScript.

Manutenção
À medida que as unhas naturais crescem, torna-se necessário retocar a unha de gel. O intervalo de manutenção dependerá diretamente da velocidade de crescimento da unha. Mas normalmente ocorre a cada 15 ou 20 dias.

Estas manutenções servem para preencher com gel a parte da unha que cresceu e passou a evidenciar a diferença entre a unha de gel e a unha natural.

Sendo que a manutenção só pode ser realizada em local especializado. Caso contrário, poderá haver porblemas por má qualidade do gel ou da técnica de aplicação.

Cuidados com as unhas de gel
Normalmente, as clientes preferem as unhas de gel não muito grandes. Pois a maioria delas trabalham e é muito importante adequar o seu tamanho às tarefas a que as mãos serão submetidas.

Também nas tarefas domésticas, deve-se ter algum cuidado para não submetê-las a grandes esforços ou a produtos químicos corrosivos. Normalmente como se faz como as unhas naturais. Para resolver este problema bastará utilizar luvas.

Se ocorrer alguma situação que a unha seja esmagada e quebrada, bastará agendar a reposição da unha quebrada.

A primeira aplicação da unha de gel

De acordo com o seu próprio nome, um gel UV é colocado sobre as unhas naturais. Uma a uma. Em seguida todas são submetidas a luz ultravioleta que fixam o gel às unhas. Isto proque as unhas feitas de um composto fotopolimerizável.

Vantagens da unha de gel

1- O líquido viscoso utilizado na aplicação das unhas de gel contém uma composição química inofensiva e é hipoalergênica;

2-As unhas de gel são muito resistentes e ainda protegem a unha natural durante o crescimento;

3-Pode-se pintar e decorar normalmente como se fossem unhas naturais.

Aonde fazer as unhas de gel?

Localizado em Guarapari – ES, o Sal~ao La Bella oferece o melhor serviço de alongamento de unhas e unhas decoradas. Além disso, a sua localização é muito privilegiada. Pois fica no centro da cidade atras do Radium Hotel.

TELEFONES:
9999.9676
9228.6823

Sobrancelhas…

Padrão

Bem desenhadas e compatíveis com o formato do rosto não apenas realçam a beleza natural e a expressão do rosto, como também evidenciam características bem pessoais. 

A designer de sobrancelhas Fátima Bahia, da Clínica Longevitá, do Rio de Janeiro, explica que as sobrancelhas podem indicar como é o temperamento e até a personalidade de uma pessoa. A partir da técnica do visagismo, ela consegue moldá-las para que fiquem compatíveis com o rosto e com o jeito da cliente. E chama a atenção para a necessidade de cuidar das sobrancelhas. “Uma sobrancelha bem feita equivale a um botox”.

Um dos estilos que é pouco favorável à fisionomia é a sobrancelha com desenho bem marcado, no centro do rosto. “Esse formato deixa a expressão do rosto nervosa, o olhar fica tenso”, afirma Fátima. Sobrancelhas como essa mostram uma personalidade dominadora nos relacionamentos, mas que gostam de serem surpreendidas.

Houve um tempo em que as sobrancelhas finas eram febre entre as mulheres, mas a designer diz para fugir desse tipo de desenho. “Hoje está totalmente fora de moda, além de não valorizar os traços e vulgarizar a imagem”, conta. Segundo Fátima, mulheres de rosto redondo devem evitar desse tipo de contorno, pois eles deixam a face ainda maior. Quem possui a testa larga, também deve evitá-lo. As donas desse tipo de sobrancelha costumam ter um lado romântico acentuado.

Outra sobrancelha que não é indicada é a reta, com a ponta caída. Fátima afirma que esse tipo de sobrancelha deixa o olhar com aspecto triste e o rosto envelhecido, além de mostrar pouca vitalidade. Essa sobrancelha evidencia uma pessoa com postura séria demais em relação à vida. Quem tem sobrancelha curta também deve mudar o desenho, pois esse tipo não favorece o rosto e aumenta muito os olhos.

Sobrancelha e personalidade

Ela diz que sobrancelhas com formato levemente arredondado, mais grossas no centro e que vão afinando até a extremidade do rosto, aumentam os olhos e iluminam o olhar, sendo indicadas para qualquer tipo de rosto. Além dessa, a sobrancelha inspirada nos anos 80 também é um trunfo que pode ser usado por qualquer pessoa, deixando o olhar mais selvagem. A sobrancelha com contorno trabalhado e uma pequena oscilação é coringa, pois valoriza os traços e pode ser usada em quase todos os tipos de rosto.
Para Fátima, existe um tipo de sobrancelha que está com tudo atualmente: a grossa. Ela acredita que esse tipo de desenho deixa o olhar mais sensual. Quem tem esse tipo de sobrancelha costumam ser doces e calmas.
Até as que não tiram, possuem personalidade nas sobrancelhas. “As mulheres que não fazem as sobrancelhas, deixando-as com seus pêlos naturais, são pessoas que gostam de fazer as coisas à sua maneira, podendo ser simplesmente autênticas ou teimosas algumas vezes”, afirma.
Existem muitas mulheres que tiram os excessos e desenham a própria sobrancelha. Mas Fátima alerta: “Nunca se deve retirar nenhum pelo em casa. Aquilo que se retira a mais já muda totalmente o formato da sobrancelha”, alerta a especialista.
Um profissional, no entanto, faz o desenho com muita técnica, alinhando a parte arqueada com a pupila e respeitando o formato do rosto. “Faz se as medidas exatas da face e da sobrancelha com paquímetro para modelar de forma correta a face”, completa.


O período de tempo correto para a manutenção das sobrancelhas é a cada vinte dias e deve ser feito da maneira correta. Do contrário, além de ficar desproporcional, pode passar uma falsa impressão da personalidade.

História da Maquiagem

Padrão

Segundo estudos na área de comportamento humano, a primeira impressão que uma pessoa tem da outra se baseia:

Tudo começou no Egito…
É no antigo Egito que vamos encontrar os primeiros testemunhos do uso de cosméticos. Os faraós tinham nas perucas coloridas formas de distinção social e consideravam a maquilagem dos olhos ponto de destaque fundamental para evitar olhar diretamente para Rá, o deus -sol.

As misturas de metais pesados davam o tom esverdeado para impregnar e proteger as pálpebras dos nobres. É também com a civilização egípcia que surge a distinção: “Mulher de pele clara” e “Homem de pele escura”. Cleópatra bem representou o ideal de beleza daqueles tempos. Carismática e poderosa, a Cleópatra imortalizou seu tratamento banhando-se em leite, cobrindo as faces com argila e maquilando seus olhos com pó de khol.

Pele clara, obsessão universal
Dizia-se que Popéia tinha a pele muito branca graças ao resultado de constantes banhos em leite de jumenta. Ela lançou moda e todas as romanas abastadas eram dadas às máscaras noturnas, onde ingredientes como farinha de favas e miolo de pão se combinavam ao leite de jumenta diluído para formar papas de beleza. Mas a verdade é que a bela complementava seus tratamento de clareamento da pele maquilando as veias dos seios e testa com tintura azul. Esta aparência translúcida foi imitada em misturas de giz, pasta de vinagre e claras de ovos durante muitas décadas.

Conta a lenda que Psyché foi buscar no inferno o segredo da pele branca da deusa Vênus, trazendo a cerusa, ou alvaiade, para compor suas fórmulas mágicas. Até a Renascença italiana esse mesmo alvaiade era usado durante o dia pelas lindas mulheres nobres, que à noite cobriam suas faces com emplastros de vitelo crú molhado no leite afim de minimizar os efeitos nocivos causados pelo alvaiade. O Kama Sutra, escrito entre os séculos I e IV, define a mulher ideal como Padmini, aquela que tem “…a pele fina, macia e clara como o lótus amarelo…” No Japão, do século IX ao XII, período de Heian, a valorização da pele branca era regra geral. Para obter a aparência extremamente clara as mulheres aplicavam um pó espesso e argiloso feito de farinha de arroz, chamado oshiroi. Depois passaram também à usar o beni, pasta feita do extrato de açafrão, para colorir as maçãs do rosto.

Aproximadamente em 150AC o físico Galeno criou o 1o creme facial do mundo, adicionando água à cera de abelha e óleo de oliva. Mais tarde o óleo de amêndoas substituiu o azeite e a incorporação de bórax contribuiu para a formação da emulsão, minimizando o tempo de processo. Estava aí a primeira base para sustentar os pigmentos de dióxido de titânio e facilitar a aplicação na face; nascia a base cremosa facial.

Começam os obstáculos…
Mas nem só de aprovação caminhou a história dos cosméticos coloridos. Na Roma antiga a indignação masculina frente aos artifícios femininos de usar produtos para maquilagem está registrada em obras imortais, como escreveu Ovídio “…Seu artifício deve permanecer insuspeito.

Como não sentir repugnância diante da pintura espessa em sua face se dissolvendo e escorrendo até seus seios? Por que tenho de saber o que torna sua pele tão alva?…” Andreas de Laguna, o médico espanhol do Papa Julius III, dizia que a maquilagem das mulheres era tão espessa que dava para cortar “a nata da torta de queijo de cada uma das bochechas”

A beleza entra na mira da igreja
Os líderes religiosos expressavam sua indignação contra o uso de artifícios coloridos. No relato de São Jerônimo fica evidente a reprovação do ato de maquilar-se, visto como força do mal e da impureza. “…O que faz essa coisa púrpura e branca no rosto de uma mulher cristã, atiçadores da juventude, fomentadores da luxúria, e símbolos de uma alma impura?…”

Propaganda enganosa X bruxaria


No final do século XVIII, o Parlamento inglês recebeu a proposta de uma lei que tentava impor sobre as mulheres a mesma penalidade por adorno que era imposta por bruxaria. O termo desobrigava de suas responsabilidades os maridos que haviam casado com uma “máscara falsa”: “Todas as mulheres que à partir deste ato tirarem vantagem, seduzirem ou atraírem ao matrimônio qualquer súdito de Sua Majestade por meio de perfumes, pinturas, cosméticos, loções, dentes artificiais, cabelo falso, lã de Espanha, espartilhos de ferro, armação para saias, sapatos altos ou anquilhas, ficam sujeitas à penalidade da lei que agora entra em vigor contra a bruxaria e contravenções semelhantes e que o casamento, se condenadas, seja anulado…” É hilária a carta publicada no jornal britânico The Spectator, no ano 1711, onde um marido aflito desabafa… “Senhor, estou pensando em largar minha mulher e acredito que quando o senhor considerar o meu caso, a sua opinião será a de que minhas pretensões ao divórcio são justas.

Nunca um homem foi tão apaixonado como eu pela sua fronte, pescoço e braços alvos, assim como a cor azeviche de seus cabelos. Mas para meu espanto descobri que era tudo feito de arte: sua pele é tão opaca com esta prática, que quando acordou de manhã, mal parecia jovem o suficiente para ser mãe de quem levei para a cama na noite anterior. Tomarei a liberdade de deixá-la na primeira oportunidade, à menos que seu pai torne sua fortuna apropriada às suas verdadeiras , e não supostas, feições…” O rei Henrique VII mandava os pintores retratarem suas pretendentes matrimoniais, pedindo também às pessoas que cercavam a rapariga que respondessem um extenso questionário sobre a futura esposa.

As instruções previam saber como era o rosto, se estava pintada e se havia algo “perto dos lábios”, referindo-se ao uso de batons e brilhos. Elizabeth I, a rainha virgem, que assim ficou famosa por ter morrido sem se casar, usou até o final de seus dias as faces cobertas de branco, as maçãs pintadas com círculos vermelhos bem definidos e a cabeça coberta por uma peruca de cabelo ruivo e dourado.

E a vaidade vence…
Mas apesar da postura radical da igreja e dos costumes rígidos, com os desenvolvimentos científicos o ato de pintar os lábios tornou-se moda desde o século XVII, quando as pomadas coloridas tornaram-se mais acessíveis e seguras. Ainda no século XVI a preocupação com higiene pessoal foi deixada de lado, o que ironicamente contribuiu para o crescimento do uso da maquilagem e dos perfumes.

O primeiro estilista surgiu no século XIX, quando um verdadeiro artista traz uma nova fonte de prestígio à moda; Charles Frederick Worth abriu sua loja em Paris em 1858, para vender modelos de casacos e sedas de primeira classe. A imperatriz Eugénie, esposa de Napoleão III era sua mais famosa cliente. Em 1885 é fundada a Chambre Syndicale de la Couture Parisienne, regulamentando a arte da alta costura. Paul Poiret, Madeleine Vionnet, Coco Chanel, Christian Dior, Cristóbal Balenciaga, Hubert Givenchy são alguns dos nomes que mudaram a história da moda no mundo, causando a necessidade de uma mudança de patamar na indústria de produtos para maquilagem.

Durante os 100 anos seguintes Paris firmou-se como autoridade em moda, trazendo para o mundo da maquilagem um novo alento. Podemos dizer que a popularização da moda aconteceu em 1892, com o lançamento da revista Vogue, tendo em seus primeiros números personalidades como Gertrude Vanderbilt Whitney, vestindo suas próprias roupas. Quando Condé Nasta comprou a revista, em 1909, a publicação passa à ter um enfoque mais atraente, mostrando objetos do desejo para todas as mulheres.

É somente no século XX, com os avanços da indústria química fina, que os cosméticos se tornam produtos de uso geral. Em 1921, Paris é palco de uma verdadeira revolução na história do batom; é primeira vez que um produto desta categoria é embalado num tubo e vendido em cartucho. O sucesso é tal que em 1930 os estojos de batom dominam o mercado americano, trazendo uma nova fase para o desenvolvimento destas formulações. A morena Marilyn Monroe usava maquilagem clara e pintava lábios vermelhos intensos, atraindo e intensificando sua feminilidade.

O maquilador americano Kevyn Aucoin conta que em 1967, ainda criança, quando confundiu a maquilagem branca -rosada intensa de uma vendedora de cosméticos com a aparência deixada pela aplicação de loção de calamina. Esta mistura de óxido de ferro vermelho e óxido de zinco era muito usada, na época, para aliviar o desconforto causado por picadas de insetos. A ingenuidade de Kevyn levou-o à comentar com a moça o quanto ele estava penalizado por sua dor! Como resposta deparou-se com um silêncio sepulcral, que só foi entendido pelo menino quando sua mãe, já a caminho de casa explicou que se tratava de maquilagem e não remédio… Na década de 70 as cores de maquilagem tornaram-se populares, acompanhando as coleções de alta-costura francesa, italiana e inglesa.

Cada vez que um grande costureiro lançava uma nova coleção de cores e formas para as roupas, lá vinha um tom de sombra específico para os olhos, uma nova cor de boca. Dior, Chanel, Yves Saint Laurent e todos os grandes fabricantes ousavam e enchiam os olhos das mulheres de todo o mundo com suas criações cada vez mais tentadoras. E é no final da década de 80 que entram em lançamento as fórmulas evoluídas para cosméticos pigmentados. Às beiras do novo milênio finalmente entram em cena fórmulas baseadas em tecnologia de vanguarda, cujo uso garante propriedades bem interessantes para nossa beleza, como proteção solar, umectação e controle do envelhecimento da pele.

Nos anos 90 a era do benefício visível ganha importância vital. A haute couture toma rumos inteligentes nesta nova era. Estilistas ingleses de vanguarda como John Galliano e Alexander McQueen vêm dar uma ventilada nas conservadoras Dior e Givenchy, alterando mais uma vez a história da moda & make-up. Hoje podemos nos beneficiar do produto que colore e trata a pele, limpa, perfuma e protege os cabelos, como nunca antes na história da humanidade. Yohji Yamamoto, Rei Kawakubo, Helmut Lang e Ann Demeulemeester apontam para uma nova era, a era da Beleza Inteligente, onde cada ser possa encontrar seu equilíbrio na roupa, no cheiro e na cor.